Dimensão de líder!

A infinidade de questões imprescindíveis ao funcionamento de um negócio mas que são estranhas ao empresário, torna enorme o desafio de lançar-se por conta própria.

É por isso importante que esteja preparado para se envolver minimamente em assuntos tão díspares como fiscalidade ou recursos humanos…

photo-1517520287167-4bbf64a00d66

O sucesso do seu projeto bem como o grau de “sossego” (ou não) em que viverá, irão depender diretamente do quão alinhado estiver com os parceiros com que decida trabalhar!

Transmitir-lhes a visão global da sua organização (estratégia) e construir relações diárias fluidas e de confiança (operacionalidade) devem ser portanto as prioridades.

Há atividades sem as quais é praticamente impossível sobreviver…em Portugal necessitará por exemplo dos serviços de uma empresa consultora em higiene e segurança no trabalho (trata-se de uma imposição legal), dos serviços de um técnico oficial de contas (à exceção de empresários em nome individual que adiram ao regime simplificado todos os outros formatos de sociedade têm, em Portugal, esta obrigatoriedade), dos serviços de um designer (determinante na criação da identidade visual da empresa)…e poderíamos continuar a enumerar áreas de especialidade que não terá necessariamente de dominar por não serem o seu core business mas para as quais deverá rodear-se de especialistas, se desejar competir com organizações mais numerosas.

É claro que pode simplesmente fazer tudo sozinho e “poupar imenso dinheiro” mas esta é uma estratégia que não resulta porque está a aumentar a probabilidade de erro e, por outro lado, a perder tempo essencial para se concentrar naquilo que é mesmo o seu negócio e que gera valor real (ressalvemos o facto inegável de que é possível começar a construir-se um negócio válido e sustentável quase sem capital).

Fazendo um paralelo entre o que se passa com um empreendedor que recorra a parceiros e a realidade em estruturas maiores com departamentos próprios que tratam internamente de design, marketing, contabilidade, etc., constatamos que em qualquer dos casos os respetivos líderes devem ser capazes de partilhar a visão da empresa e construir uma rede de confiança composta por especialistas.

Será exagerado afirmar que as palavras-chave são líder, parceiro, visão e confiança?

Será mesmo que ter uma dimensão reduzida significa ser pequeno?

Artigo sobre (não tão) pequenos negócios.

Leave a Reply

Voltar ao topo
Translate »
Facebook
LinkedIn
Follow by Email